Blog

21 de janeiro de 2019

Teste A/B: como usá-lo para aumentar conversões

Por Daniel D'Amelio

O Teste A/B serve para avaliar diversos elementos das campanhas de marketing digital. Contudo, além da possibilidade de fazer os ajustes necessários na forma de abordar o cliente, há outro aspecto igualmente importante: o aprendizado adquirido.

 

Essa é uma vantagem das estratégias online. Conseguirmos entender melhor as reações do público e, a partir daí, ganhamos eficiência porque personalizamos as ações. Com isso, aumentam as chances de termos entregas mais relevantes, o que impacta positivamente no desempenho do negócio.

 

Nesse contexto, os testes A/B têm importância estratégica para as empresas, daí a necessidade de entender como aproveitá-los ao máximo.

 

O assunto despertou o seu interesse? Então você está lugar certo, porque vamos explicar neste artigo o que é teste AB e dar dicas práticas sobre sua execução. Acompanhe!

 

O que é teste A/B

 

Em termos conceituais, é vital entender que o teste A/B, obrigatoriamente, deve apresentar apenas 2 versões para os usuários, de forma a avaliar qual delas obtém melhores resultados.

 

A propósito do que vai ser verificado, as combinações são infinitas. Esse tipo de teste funciona bem para:

 

  • Campanhas de e-mail marketing,
  • posts em redes sociais,
  • anúncios pagos (como links patrocinados) e
  • landing pages,
  • Entre outros.

 

Em relação à amostra que será utilizada, a seleção depende dos seus objetivos. Porém, a recomendação é que essa escolha seja feita de forma aleatória (usando um termo técnico da área de pesquisa, a seleção da amostra deve ser feita de forma randômica).

 

 

Como realizar testes mais eficazes

 

Um dos diferenciais do marketing digital é justamente o seu poder de engajamento do público. Ocorre que, para isso, temos que entregar a mensagem certa, para o público correto e no melhor momento possível.

 

Diante desse desafio, o teste A/B ganha relevância, uma vez que vai ajudar a empresa a entender o que funciona em cada situação.

 

Para que isso dê certo, contudo, o primeiro passo é definir os objetivos das ações. E, a partir daí, estabelecer as variáveis que serão testadas, a duração do teste e as métricas que serão acompanhadas.

 

Pode parecer óbvio, mas ainda vemos erros graves nessa área, em função da falta de planejamento.

 

 

O que pode ser testado?

 

A resposta para essa questão é simples: com as ferramentas disponíveis atualmente, você pode testar absolutamente qualquer elemento da sua campanha.

Pensando especificamente em taxa de conversão, saiba que os elementos mais importantes são:

 

  • Títulos-destaque (headline);
  • CTAs;
  • Imagens e vídeos;
  • Linguagem adotada (mais ou menos formal, por exemplo);
  • Horários mais adequados para o envio;
  • Descrições de oferta;
  • Tipo de argumento.

 

Definidos os critérios básicos, é importante também adotar alguns cuidados. Confira no próximo tópico!

 

 

Erros que devem ser evitados

 

Ao planejar o seu teste A/B, preste atenção nessas questões:

Período de duração do teste

 

A definição do prazo do teste depende do canal empregado. Por exemplo, se a proposta é analisar elementos do seu site, é importante considerar o volume de tráfego.

 

Se for alto, é possível trabalhar com um período menor, pois logo vai ter um volume de respostas adequado para ser avaliado do ponto de vista estatístico. No caso de audiências menores, o ideal é estender mais o prazo.

Número de variáveis

 

Nesse caso, podemos ser taxativos: teste apenas uma variável de cada vez. Num e-mail marketing, por exemplo, é possível verificar conteúdo, tipo de título, de texto, uso de cor, imagens, CTA etc.

 

Porém, independentemente do elemento alterado, as 2 versões produzidas precisam se concentrar em apenas um item. Se a proposta for analisar o título, não caia na “tentação” de alterar também o CTA ou mesmo a cor, uma vez que isso pode invalidar os resultados.

Amostras

 

Quanto maior o volume de pessoas selecionadas para o teste, maiores as chances de sucesso. Para e-mail marketing, por exemplo, recomenda-se trabalhar com pelo menos 20% da base, podendo chegar a 40%.

 

Ao programar o envio das mensagens para os grupos A e B, certifique-se de que eles recebam o conteúdo ao mesmo tempo. Lembre-se de que data e horário são variáveis que influenciam nos resultados.

 

Uma dica importante para finalizarmos: sempre que possível realize um brainstorm para discutir o que pode ser usado como opção no teste A/B. A troca de ideias ajuda a equipe a chegar em alternativas mais interessantes!

 

 

Gostou do post?

Baixe também nosso Glossário da automação de marketing. É um excelente material para que você conheça os termos usados nessa área!

Compartilhe



Conteúdo relacionado

Quer ficar por
dentro das novidades do nosso blog?
Assine nossa newsletter.

Go to Top